Fecha: 09 de jun. 2005
Sección: Yacimientos Romanos
Información publicada por: A.M.Canto
Mostrado 3.067 veces.


Presa romana de Belas_acueducto a Olisipo 2

Detalle de los contrafuertes escalonados. Reproduzco esta buena descripción y resumen histórico, del mismo sitio de la foto, donde se puede apreciar otra más. "Pouco resta hoje desta construção romana de grande envergadura, que reflecte bem a preocupação dos romanos com as obras de utilidade pública -estradas, pontes, viadutos, fontes- e com a qualidade de vida dos cidadãos. A que é hoje conhecida como a Barragem de Belas foi construída para fornecer água potável à cidade de Olissipo. A albufeira da barragem, que podia conter até 125.000 metros cúbicos de água era abastecida pela ribeira de Carenque e pelas numerosas nascentes da região de Belas/Caneças uma das quais debitava, no século XVII, cerca de 360 litros por minuto. Essa água era depois conduzida até à antiga urbe de Lisboa por um aqueduto que desembocava junto à porta de Stº André, na Costa do Castelo. Vestígios desse aqueduto são ainda visíveis junto ao Bairro da Mina, na Amadora. O que hoje resta da barragem pode ser visto junto à estrada Belas-Caneças (km 16,423 da EN 250). Trata-se da sua parte central, um paredão com cerca de 15,5 metros de comprimento, uma altura máxima de 8 metros e uma espessura de 7,7 metros no máximo. A parede virada a jusante é reforçada por três 3 espessos contrafortes que fazem da barragem de Belas a maior barragem romana de contrafortes conhecida. O tipo de construção é tipicamente romano, ou seja, pedras irregulares e de diferentes tamanhos, unidas por uma espécie de argamassa feita de cal, areia fina e pedaços de cerâmica. Construída no século III d.C., não se sabe quando é que barragem deixou de ser utilizada. Sabemos que no século XVI já não fornecia água à cidade, pois Francisco de Holanda, na sua obra "Da fábrica que falece à cidade de Lisboa" de 1571,recomendava ao rei D. Sebastião o reaproveitamento do aqueduto romano para resolver a sistemática falta de água que afectava a capital portuguesa. Dois anos depois o rei determina, em carta régia, a realização das obras necessárias para trazer água a Lisboa, mas nada se fez. Já em 1619, durante a União Ibérica, o rei Filipe II visita a barragem e o aqueduto com a intenção de promover a sua reconstrução, encarregando para tal Leonardo Turriano [sic]. No ano seguinte são elaborados os projectos necessários e estabelecem-se as taxas para custeamento das obras. Mas estas não chegam a realizar-se, pois um alvará régio de 1623 determina que os impostos destinados ao seu financiamento sejam desviados para acudir à Índia. No séc. XVIII, a construção de um novo aqueduto arrasa parte das condutas romanas e, já no século XX, a construção da estrada Belas-Caneças destrói e soterra parte da barragem. Classificado como IIP pelo dec. N.º735/74 de 21/2." Fuente y fotos: http://www.malhatlantica.pt/sintrantiga/barragem.htm

© copyright ©: Carlos Pinheiro 1999

Artículos relacionados

    No hay artículos relacionados.


Poblamientos relacionados


Imágenes relacionadas (Beta)

Volver arriba