Autor: bracarense
jueves, 17 de noviembre de 2005
Sección: Artículos generales
Información publicada por: bracarense


Mostrado 13.256 veces.


Ir a los comentarios

Ruínas Arqueológicas de São Martinho de Dume

O complexo arqueológico de Dume assume-se, na actualidade, como um dos mais importantes locais de investigação do Norte de Portugal sobre a história do reino suevo. A ocupação do lugar recua aos primeiros anos do período romano, altura em que aqui se estabeleceu uma "villa", de que se conhece um compartimento. Posteriormente, e ao que as escavações vieram sugerir, esta propriedade Foi reFormulada nos séculos III-IV, momento a que pertencerá um ediFício termal (de planta octogonal e bastante compartimentado), recentemente escavado. Mas Foi nos meados do século VI, mais concretamente na sequência das chamadas invasões bárbaras, que Dume passou a ter real importância no contexto peninsular. Pela mão de São Martinho, "Apóstolo dos Suevos" (OLIVEIRA, 1964), as anteriores estruturas deram lugar a um mosteiro, cuja importância lhe conFeriu imediatamente o estatuto de centralidade religiosa do reino e diocese autónoma em relação à tão próxima cidade de Braga. Por seu lado, também o monarca construiu um palácio anexo, Fazendo da antiga "villa" de Dume um dos centros decisórios da corte. É neste contexto de expansão e de aFirmação da autoridade sueva (e também da metropolita de Braga) que se deve entender a construção da basílica dumiense. Ela conhece-se apenas parcialmente, mas os vestígios conservados provam a grande qualidade da construção e, em especial, a sua originalidade. A cabeceira é o elemento de maior interesse, na medida em que adopta uma planta cruciForme, de planimetria triFoliada com tripla ábside semicircular e em associação a um cruzeiro quadrangular (FONTES, 1995, pp.417-418). Alguns autores interpretaram esta estranha organização à luz do que, um século depois e em contexto político visigótico, São Frutuoso realizou em Montélios. A verdade é que estamos perante a transposição de um modelo de templo de carácter martirial, Frequente no Sul da Gália pelo século VI, a partir de realizações orientais (FONTES, 1995, p.420), e que chegou ao Noroeste peninsular através da Forte inFluência que o reino merovíngio exerceu sobre os monarcas suevos, com cuja Família real São Martinho trocou correspondência (MACIEL, 1996) e de que resultou uma relação que se testemunha em outras obras artísticas suevas, como o sarcóFago paleocristão bracarense (REAL, 2000, p.31). Tão importante como o reconhecimento arqueológico do monumento e as vias de inFluência que aqui conFluem, é o Facto de o templo paroquial-monacal-real de Dume constituir a mais clara demonstração de como a corte sueva patrocinou um tipo especíFico de arquitectura, dotado de personalidade própria. Mantém-se a "regresão técnica" que caracteriza a esmagadora maioria da actividade construtiva peninsular suevo-visigótica, como o prova o "sistemático reaproveitamento de materiais" (FONTES, 1995, p.426; REAL, 2000, p.25), mas não parecem restar dúvidas de que, no apogeu do mundo suevo, Braga Foi um centro artístico de inegável importância, diFerenciando-se da tutela estética de Mérida. Mais de três séculos depois da construção de São Martinho, e já em pleno contexto (re)conquistador, a basílica Foi objecto de uma reForma, cujo objectivo Fundamental Foi a revitalização do culto do seu Fundador. Falamos da viragem para o século X e do chamado "repovoamento de AFonso III". Por essa altura, o complexo religioso de Dume havia sido abandonado (ou então encontrava-se em Franca decadência), e quer a Figura de São Martinho quer o mosteiro-diocese por si criado não eram mais que uma memória; uma memória que importava revitalizar, à semelhança do que se Faria em Montélios. Desconhecemos ainda quais as principais alterações eFectuadas, mas é certo que o novo poder asturiano preservou a cabeceira sueva. Mesmo tendo em atenção que o templo poderá ter passado a ter uma Função paroquial (FONTES, 1995, p.424), a manutenção daquela estrutura prova o impacto que a velha construção teve nos novos detentores.

Más informacióen en: http://www.ippar.pt


Comentarios

Tijera Pulsa este icono si opinas que la información está fuera de lugar, no tiene rigor o es de nulo interés.
Tu único clic no la borarrá, pero contribuirá a que la sabiduría del grupo pueda funcionar correctamente.


    No hay más información.
    ...0

Si te registras como usuario, podrás añadir comentarios a este artículo.

Volver arriba