Autor: bracarense
viernes, 29 de abril de 2005
Sección: Artículos generales
Información publicada por: bracarense


Mostrado 18.448 veces.


Ir a los comentarios

Barco Poveiro

O barco poveiro constituía o tipo de embarcação tradicional de todas as «colmeias» pescadeiras nortenhas (Caminha, Âncora, Viana do Castelo, Esposende-Fão, Póvoa de Varzim, Vila do Conde-Azurara, Matosinhos, Foz do Douro, Valbom) e as suas ramiFicações para sul (Buarcos, Gala). Ainda que construído segundo o sistema skeleton technique + carvel building, na linha geral da progressiva inFluência mediterrânica sobre os estaleiros das costas atlânticas, a conFiguração do seu casco revela-nos uma ascendência nórdica: barco de quilha, com a roda de proa bem lançada, constratando com o cadaste recto, muito pouco inclinado; Formas robustas, Francamente atenuadas pelos delgados de proa e popa, e maior pontal à Frente; eis os principais aspectos que o integram numa estirpe em que Figuram a lanche (Bretanha), o lerret (Grã-Bretanha), alguns modelos da Dinamarca e da Suécia e os representados nas pinturas das igrejas de Fide e Kalmar. Estas aproximações Ficam reForçadas pela índole das reFeridas colmeias pescadeiras, com destaque para a da Póvoa de Varzim, a que melhor e mais tempo conservou intactos os seus costumes: Fechada sobre si, praticando a endogamia (casamentos extensivos às «colónias» aFins), cultivando o maior desprezo pelos terrícolas, regia-se por leis e preceitos próprios sob a orientação dos «homens de respeito»; vivendo em exclusivo da pesca, estruturava-se por classes dentro da proFissão exercida sob Fórmulas associativas. O uso comum de marcas de Família, também iguais às dos pescadores escandinavos; o sistema de herança a Favor do Filho mais novo, como na Bretanha e na Dinamarca; os próprios dados antropológicos, Formam um conjunto de indicadores, complementares dos próprios barcos, Favoráveis à hipótese de estarmos perante os resultados de uma «invasão» (pacíFica) de pescadores nórdicos, chegados ao Noroeste Peninsular através de uma escala «natural» - a Bretanha; o que poderia ter acontecido na Fase do repovoamento litoral e reorganização das pescas marítimas que se seguiu ao período das investidas normandas e sarracenas. A decoração do barco poveiro tinha por motivo central a «invocação» do(s) santo(s) patrono(s); e à popa e proa as pinturas de siglas, símbolos religiosos, Figuras de objectos, aves, peixes, etc., que tinham como objectivo a identiFicação do barco à distância, para tudo se encontrar a postos na praia quando ele regressasse da dura Faina da pesca.

Marcas de família

As marcas de Família, constituídas por siglas, são reconhecidas por todos os pescadores da «colmeia» - e pela capitania - como marcas de posse dos objectos onde estão apostas. O sistema de transmissão destas marcas é sempre o mesmo: à marca do pai, os Filhos vão juntando um sinal (comum a todos) indicativo da situação de 1º Filho, 2º, 3º, ...; o Filho mais novo herda o património paterno, incluindo a marca sem modiFicações. Este costume andará ligado ao Facto de o último Filho estar em condições de ser mestre de uma lancha na altura em que o pai entra numa Fase de vida que recomenda trabalho mais leve. As siglas são em geral esquematizações de objecos, animais, plantas, por vezes relacionados até com símbolos de protecção mágico-religiosa.


Comentarios

Tijera Pulsa este icono si opinas que la información está fuera de lugar, no tiene rigor o es de nulo interés.
Tu único clic no la borarrá, pero contribuirá a que la sabiduría del grupo pueda funcionar correctamente.


  1. #1 Caucenos 02 de sep. 2005

    Gostaria de ter bibliograFia sobre os barcos e as siglas poveiras. É possível contactar o autor deste artigo através da celtiberia.net? Como?

  2. Hay 1 comentarios.
    1

Si te registras como usuario, podrás añadir comentarios a este artículo.

Volver arriba